terça-feira, 24 de novembro de 2015

Mulheres portuguesas ofereceram medicamentos e alimentos a crianças deficientes

BENEFICÊNCIA | Mulheres portuguesas ofereceram medicamentos e alimentos a crianças deficientes

A delegação regional da “Mulher Migrante” em Caracas/Miranda, doaram insumos médicos, alimentos, produtos de higiene e artigos de limpeza à Congregação das Missionárias da Caridade, mais conhecidas mundialmente como Irmãs Madre Teresa de Calcutá. Contaram com a grande generosidade das companheiras portuguesas e luso-venezuelanas da região capital.

“As Missionarias da Caridade fundaram-se originalmente na India e expandiram-se por primeira vez no mundo em Venezuela. Foi em Cocorote no estado Yaracuy que em 1965, há exatamente 50 anos, a Congregação de Irmãs que seguem os princípios religiosos, de fé e bondade de Madre Teresa de Calcutá, se instalou por primeira vez num país que não era território indiano. Com o apoio da nossa Direção nacional, liderada pela nossa Presidente e Conselheira das Comunidades Portuguesas, Milú de Almeida, decidimos doar artículos de primeira necessidade a crianças descapacitadas na Casa-Lar de La Guaira, no estado Vargas”, informou Mimi Coelho, delegada regional principal.

A Congregação das Missionárias da Caridade foi criada em 1950, tem mais de 750 congregações no mundo num total de 133 países. Sete congregações encontram-se na Venezuela: Duas em Caracas (Petare e Carapita), duas no estado Yaracuy, uma no estado Lara (Barquisimeto), outra no estado Bolivar (San Felix) e ainda outra no estado Vargas (La Guaira).

“A Madre Superior da nossa Casa-Lar é a Irmã Rubella. Ocupamo-nos de 15 crianças e 2 adultas com paralisia cerebral severa. As idades vão dos 4 aos 27 anos. Quase todos foram abandonados e são órfãos. Todos nos foram confiados para tutela por decisão de justiça venezuelana. 11 Missionárias e 14 ajudantes como pessoal médico tratam das crianças. Alguns médicos oferecem-nos as suas sessões terapêuticas para as nossas crianças, outros temos que pagar, mas não temos nenhum apoio publico porque ‘confiamos na Divina Providencia’ como nos ensinou a nossa mãe Madre Teresa de Calcutá”, indicou a Irmã Clara.

“É uma alegria para nós contribuir à alegria dos outros. O carisma da Madre Teresa de Calcutá sempre foi ‘Saciar a sede de Jesus na cruz por amor e pelas almas’. Vim com as minhas companheiras distribuir isso mesmo: Amor e alegria!”, disse Cecília Ferreira, delegada regional da mesma comissão associativa.

“Sempre apoiarei as nossas líderes Mimi Coelho, Milú de Almeida e Manuela Aguiar nestas ações de beneficência. Sinto-me honrada das suas confianças em ser um grão de areia na entrega de muito amor ao próximo. Estas crianças merecem muito mais!”, acrescentou Mary Gomes, outra delegada.

“Convidamos todas as mulheres portuguesas e luso-venezuelanas a juntarem-se ao nosso movimento. Foi com a ajuda, a generosidade e o apoio de um grande número delas que estamos aqui presentes em nome de todas elas também. Sem as nossas companheiras que colaboram tanto nas nossas tertúlias mensais de ‘Chá e Café’ como a nível pessoal e individualmente, esta obra de entrega não seria possível. Apenas somos quem viemos dar realidade ao que as nossas companheiras tanto nos dão. A prova está aqui que tudo foi entregue a estas crianças”, agregaram Fátima Gonçalves, Maria de Faria e Teresa Gonçalves, também delegadas desta comissão regional.

A rede “Mulher Migrante” encontra-se presente em 13 países no mundo. A associação luso-venezuelana foi criada em 2012 após o 1º congresso nacional da mulher portuguesa na Venezuela e contou com a presença de Rita Gomes (Presidente da “Mulher Migrante” em Portugal) e de Manuela Aguiar (fundadora da “Mulher Migrante” Internacional e ex-secretária de Estado às comunidades portuguesas).

As comissões regionais da “Mulher Migrante” Luso-Venezuelana em todo o território nacional foram muito solicitadas pelas quase 150 congressistas presentes no 2º congresso nacional da mulher portuguesa na Venezuela em 9 de novembro de 2014 e aprovadas à unanimidade nas recomendações e conclusões finais do evento, propostas à votação geral pelos comissários Vanda Pontes e Felipe Gouveia.

A comissão regional em Caracas foi a 1ª criada, tomou posse a nível nacional há um pouco mais de um mês (19/10/2015) e é composta por 8 delegadas regionais. Posteriormente tomou posse a 2ª comissão regional no estado Mérida em 31/10/2015 e a 3ª comissão regional no estado Miranda foi acreditada em 14/11/2015.

Proximamente a Direção nacional da associação “Mulher Migrante” Luso-Venezuelana acreditará a comissão regional no estado venezuelano Nueva Esparta.


Créditos fotos: © Gabriel Torres e José Ramos | #PortuNoticias Prensa Internacional


Sem comentários:

Publicar um comentário